Oficina debate estrutura do Programa de Conservação da Sociobiodiversidade

Autor: Maria Meirelles

Foto: Maria Meirelles

A valorização do conhecimento tradicional acreano é um dos pilares do Programa de Conservação da Sociobiodiversidade, novo mecanismo do Sistema de Incentivos aos Serviços Ambientais (Sisa), que está em processo de criação.

Como forma de agregar conhecimento e construir um programa democrático e representativo para as comunidades, o Instituto de Mudanças Climáticas (IMC) realizou nesta quinta-feira, 24, a oficina setorial, em Xapuri, reunindo lideranças extrativistas e instituições parcerias, como o WWF.

“Esse programa é fundamental, pois nós possuímos 87% de floresta preservada e os produtos da sociobiodiversidade estão dentro dela. A proposta é continuar fomentando essa nova economia, pautada na sustentabilidade e que tem resultado no desenvolvimento do Acre”, salientou a diretora-presidente do IMC, Magaly Medeiros.

A sociobiodiversidade é o conjunto dos saberes e conhecimentos tradicionais dos povos da floresta. O Programa de Conservação visa utilização dos seus produtos naturais, como forma de desenvolver as comunidades, preservando sua cultura e hábitos de vida.

Para a liderança extrativista, Leide Aquino, a iniciativa promove a integração das cadeias de produção, atividades ambientais e culturais. “A gente sabe que em algumas comunidades, o valor cultural das atividades extrativistas se perdeu e o programa vem para resgatar isso: o desenvolvimento das comunidades, garantindo a sustentabilidade e os valores tradicionais”.

Parceiro e impulsionador da política de desenvolvimento sustentável acreana, o WWF tem auxiliado o IMC no processo de construção do novo mecanismo do Sisa. “A gente entente que esse vai ser um instrumento que vai atender as populações que contribuem com manutenção da floresta em pé”, destacou analista de Conservação do WWF, Rocío Ruiz.

O encontro em Xapuri também contou com a participação dos professores da Universidade do Colorado, que estiveram na Reserva Extrativista Chico Mendes para realizar a primeira atividade de campo, consolidando a parceria entre a instituição de ensino dos Estados Unidos, governo do Acre e Universidade Federal do Acre.

Outras oficinas setoriais serão desenvolvidas na região do Vale do Juruá e Purus. O IMC estima que até o fim do ano os estudos e consultas públicas, para a construção do subprograma do Sisa, sejam concluídas e o documento passe para apreciação na Assembleia Legislativa, tornando-se lei.

Ir para o topo