Membros da Universidade do Colorado, Estado e Ufac visitam áreas de intercâmbio educacional

Autor: Maria Meirelles

Foto: Fernando Maia

O Acre se apresenta no cenário mundial como um dos propulsores em preservação e desenvolvimento sustentável, sendo o primeiro a executar o Programa Global REM (REDD Early Movers – pioneiros na conservação). Essa política de valorização do ativo ambiental, que agrega crescimento econômico e justiça social, se apresenta na melhoria da qualidade de vida dos acreanos, em especial, daqueles que vivem nas comunidades tradicionais: ribeirinhos, produtores, extrativistas e indígenas.

Compreendendo a importância de continuar avançando e fomentar estudos que propaguem e aprimorem atividades socioeconômicas sustentáveis, o governador Tião Viana consolidou uma parceria com a Universidade do Colorado, no ano passado. O acordo assegura a oferta de cursos e intercâmbios entre estudantes acreanos e norte-americanos.

O primeiro estudo de campo para definir os locais de pesquisa foi realizado nesta semana na Reserva Extrativista Chico Mendes, em Brasileia e Xapuri. Uma comitiva composta por professores do Colorado – mestra e doutora em antropologia cultural, Colleen Scanlan Lyons; professor assistente do Programa de Estudos Ambientais, Peter Newton e o presidente fundador do Engeneers Without Borders, docente do curso de Engenharia Civil, Bernard Amadei – e pelo Instituto de Mudanças Climáticas (IMC), Universidade Federal do Acre (Ufac), Instituto Chico Mendes da Conservação e Biodiversidade (ICMBio) e Secretaria de Estado de Turismo (Setul), visitou os locais e dialogou com os comunitários.

Na terra do líder ambientalista Chico Mendes – assassinado há quase 30 anos – os gestores trocaram experiência com os extrativistas, a exemplo de Raimundo Mendes, mais conhecido como Raimundão: seringueiro e sindicalista que, ao lado de Chico, lutou pela manutenção da floresta em pé, ao defender uma política de desenvolvimento sustentável, pautada na integração harmônica entre homem e o meio ambiente. O pernoite na Colocação Rio Branco, Seringal Floresta, propiciou aos visitantes uma imersão na história política, cultural, produtiva e socioeconômica do Acre.

“Esse projeto educacional tem dois lados, o acadêmico que usa como base a floresta e as pessoas que vivem nela, para gerar conhecimento, pois sem esse corpo científico não temos como integrar as linhas de sustentabilidade: econômica, ambiental e o social; e lado de propagação dessa política de desenvolvimento sustentável, pois o Acre tem muita coisa para mostrar ao mundo”, salientou Colleen Scanlan Lyons, doutora da Universidade do Colorado.

Segundo Colleen, também diretora do GCF (Força-Tarefa de Governadores para o Clima e Florestas), o programa visa apresentar as experiências acreanas de florestania a outros lugares dentro e fora do Brasil, como Peru e Colômbia, para que possam extrair e replicar resultados dessas atividades. “O morador precisa gerar renda dentro da floresta e essa troca de conhecimento entre governo e academia, gera novos mecanismos produtivos sustentáveis”, destacou.

Referência na área da engenharia, por meio do Engeneers Without Borders, Bernard Amadei, fomenta projetos que capacitam às comunidades, lhe facultando a compreensão de suas necessidades básicas de infraestrutura. A seu ver, o programa de intercâmbio promove a integração entre floresta, comunidade e mercado.

Parceria inédita

A parceria entre governo do Acre, Ufac e a universidade americana é inovadora e aposta no estudo das políticas públicas de fomento à sustentabilidade.

O docente da área de Ecologia da Universidade do Acre, doutor Fernando Schmidt, ressaltou a relevância do intercâmbio. “Vai trazer algo novo para o nosso programa e atividades de pesquisas, tanto de professores, quanto de estudantes, incorporando de maneira mais elaborada o papel do homem nos sistemas naturais”, frisou.

Segundo a diretora-presidente do IMC, Magaly Medeiros, o convênio educacional busca, de forma conjunta, promover o desenvolvimento sustentável dentro das áreas de florestas. “A partir das visitas em campo, pudemos avaliar as áreas de pesquisas que resultem na manutenção da floresta e melhoria da qualidade de vida dos comunitários. O Acre é referência global, o nosso governador Tião Viana é considerado pela Força-Tarefa de Governadores como um campeão por estar liderando algo inovador, colocando em prática uma cadeia sustentável, que envolve economia, meio ambiente e as questões socioeconômicas e culturais”.

Projeto piloto

A primeira acadêmica a participar do intercâmbio foi Rayna Benzeev, 25 anos, doutoranda pela Universidade de Colorado-Boulder (UCB). A jovem americana realiza pesquisa científica na área de florestas tropicais, veio ao Acre com o seu orientando Peter Newton, juntando-se à comitiva na imersão dentro da Resex Chico Mendes.

“É muito importante não apenas ler sobre o seu objeto de pesquisar, mas visitar e constatar pessoalmente o que acontece nas áreas de floresta e também conversar com os moradores”, observou Rayna, que esteve anteriormente em Madagascar e no Sul da Ásia. “Ainda não tinha visto nenhuma iniciativa pública como a que vi no Acre. Estou impressionada, pois nenhum dos lugares que estive tem uma política ambiental tão consolidada como aqui.”

Rayna retona ao estado anualmente, durante cinco anos. Para o docente e orientador de Rayna, Peter Newton, as visitas aos produtores foi uma janela para compreender o contexto socioeconômico das comunidades. “Vindo ao Acre, os estudantes vão poder compreender os desafios que as comunidades encontram, e isso é muito importante, pois agrega mais conhecimento empírico. Além disso, gera visibilidade ao Acre e à luta dos povos da floresta”, disse.

Leia também: Têm início atividades da parceria do governo com a Universidade do Colorado e Ufac

 

Ir para o topo