Programa de Gastronomia de Baixo Carbono é apresentado em encontro do GCF

Com foco na economia de baixo carbono, a primeira-dama Marlúcia Cândida apresentou o Programa de Gastronomia e Hospitalidade do Acre no encontro anual da Força-Tarefa dos Governadores para o Clima e Florestas (GCF) nesta terça-feira, 26, em Balikpapan, na Indonésia.

Marlúcia Cândida participa como convidada da organização internacional Forest Trends, co-organizadora juntamente com o governo do Estado da Conferência Internacional Katoomba Acre Gastronomia Amazônica de Baixo Carbono, com realização de 5 a 7 de junho de 2018, no Centro-Escola de Gastronomia, na Cidade do Povo, em Rio Branco.

Na sua apresentação, a primeira-dama contextualizou a posição geográfica do Acre e sua proximidade com um mercado de mais de 30 milhões de consumidores, o que inspira a gastronomia do estado e a base sustentável das atividades desenvolvidas. “Nós nos inspiramos no homem e na floresta que nos rodeia”, afirmou.

Segundo Marlúcia Cândida, a distribuição da riqueza e proteção ambiental apontam políticas públicas para um projeto pautado nas diretrizes de acordos internacionais das Nações Unidas e ratificados pelo Brasil.

“Nos últimos dez anos o Acre reduziu 65% da taxa de desmatamento e assumiu compromissos de alcançar uma redução de 80% até 2020, através do controle, fiscalização e promoção do desenvolvimento sustentável, fomentando as cadeias produtivas florestais e agropecuárias que valorizam a floresta em pé”, destacou.

Ações do programa

Dialogando com as políticas de base sustentável implementadas pelo governo do Estado, na narrativa apresentada aos membros participantes, Marlúcia falou do modelo negócios (público, privado e comunitário), da economia diversificada que vem promovendo a distribuição de renda, inclusão social e agregação de valor à produção florestal e agropecuária, além da economia de base industrial (piscicultura, suinocultura, avicultura, bovinocultura e ovinocultura).

Os avanços obtidos, explicou Marlúcia, ocorrem porque o Acre tem um modelo de negócio pautado na parceria público-privado-comunitária, combinação da redução de desmatamento, aumento do Produto Interno Bruto (PIB) e inclusão socioprodutiva, “além de outra áreas chaves para a melhoria da qualidade de vida da população”.

Outro importante aspecto foi ressaltar de onde vem toda a inspiração para desenvolver o programa. A abordagem foi dirigida aos povos indígenas no Acre, com sua cultura alimentar original.

A primeira-dama pontuou a importância do Centro-Escola de Gastronomia, previsto para ser inaugurado em dezembro deste ano. “Ele será o grande guarda-chuva para a consolidação do programa de gastronomia. Todo o aprendizado terá um olhar na identidade cultural dos povos seringueiros, ribeirinhos e indígenas com sua rica e diversificada gastronomia original, além disso iremos promover o uso e a pesquisa de produtos das florestas e de áreas de cultivo dos produtores locais, com técnicas de baixo impacto socioambiental.”

Os estudos, segundo Marlúcia Cândida, utilizarão ingredientes  das florestas e de áreas de cultivo dos produtores locais, produzidos por técnicas de baixo impacto socioambiental e atividades fomentadas por atividades fomentadas pelo governo do Estado, de base agroindustrial e alta tecnologia e sustentabilidade.

“Inspirados nos ideais de Chico Mendes, estamos transformando em riqueza para os povos da floresta os produtos da própria floresta, conciliando a sabedoria tradicional com a adquirida por meio de estudos e pesquisas avançadas. Vamos trabalhar para fazer  do Acre o endereço da gastronomia amazônica.”

Katoomba Acre

Sobre o Katoomba Acre foram apresentadas as principais propostas do evento que reunirá profissionais e especialistas que trabalham com sistemas alimentares da Amazônia. A conferência tem como objetivo incentivar a evolução de princípios para o desenvolvimento ético e sustentável da gastronomia amazônica e promover oportunidades de investimento na construção de novas empresas alimentares na região.

Colleen Scanlan Lyons, diretora do GCF, expôs sua visão após a apresentação. “O Acre é um grande campeão no GCF.”

Foi também positiva a demonstração do diretor executivo do Earth Innovation Institute, Daniel Nepstad. “É uma fonte de inspiração”, disse.

Representantes do Centro Internacional de Pesquisa de Florestas Tropicais baseado na Indonésia demonstraram interesse em participar do Katoomba Acre e articular com a agenda de conservação das florestas tropicais globais.

“O Acre é destaque no encontro por todo o trabalho que vem implementando com base no desenvolvimento humano e econômico, preservando a floresta viva e as comunidades com sua rica cultura. Acredito no apoio ao programa por seu foco na gastronomia de baixo carbono. Temos potencial para posicionar nossos produtos no mercado, promovendo a cultura da alimentação saudável para o meio ambiente e a saúde humana ”, disse a primeira-dama.

 

Texto: Leonildo Rosas com colaboração de Rose Farias
Foto: Leonildo Rosas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *